Pular para o conteúdo principal

Pequena reflexão Lucas 6,20.

Escutei a Palavra de Deus hoje nos convidando a buscar as coisas do alto. É um excelente incentivo à nossa fé, à nossa espiritualidade para que em Cristo, que está sentado à direita do Pai, esteja centrada a nossa fé.
Que não tiremos d’Ele o nosso olhar, que na perspectiva, no caminhar da vida em direção ao céu não tiremos de Cristo o sentido e a direção da nossa vida.
Permita-me, por um outro lado, dizer: se o nosso coração precisa estar no alto, em Cristo, os nossos pés precisam estar “fincados no chão”. Ter os pés “fincados no chão” significa não deixar de olhar o mundo em que vivemos, o mundo que está ao nosso lado. Por isso, as bem-aventuranças que Jesus nos ensina, sobretudo na perspectiva de São Lucas, chamam-nos a ter os olhos bem abertos para a vida que levamos e a vida do outro que está ao nosso lado.
Por isso, meu irmão, por maior que seja o nosso trabalho, o nosso esforço, a nossa luta não podemos nos apegar ao que temos nesta vida!
Jesus proclama:Bem-aventurado os pobres.Mas, ai de vós, ricos, porque já tendes vossa consolação! Ai de vós que agora tendes fartura, porque passareis fome! Ai de vós que agora rides, porque tereis luto e lágrimas!”(Lucas 6, 24-25).
Não dá para passar a vida cuidando de riquezas, acumulando farturas, rindo de tudo e de todos! Porque, existem muitas pessoas passando fome, existem muitas pessoas na extrema pobreza e miséria, existe muito sofrimento ao nosso lado.
A nossa vida pode melhorar, podemos adquirir bens. Mas, nos comportarmos com indiferença e acharmos que está tudo bem enquanto temos, possuímos e nos esquecermos de quem não tem é viver uma espiritualidade descomprometida com Deus e com Sua Palavra.
Deus quer nos dizer que somos felizes por termos um ‘coração de pobre’, por sentirmos e olharmos a fome do mundo e, muitas vezes, sofrermos e chorarmos com aqueles que sofrem e choram. Se não nos importamos mais, se não sentimos mais a pobreza, o sofrimento e a dor do outro é porque o nosso coração já se aniquilou pelas riquezas deste mundo, pelo que temos ou pela cobiça de querer ter.
Quando deixamos o nosso coração se despojar, quando vivemos na simplicidade da vida e sabemos partilhar a dor, o sofrimento e a pobreza do outro é Deus quem está em nós, nos conduzindo para vivermos a dinâmica do Seu Reino!
Que o nosso coração esteja em Deus e os nossos pés estejam bem fincados no chão para não nos esquecermos uns dos outros, sobretudo, dos que mais sofrem e passam necessidades nesta vida!

Texto de Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele sem autorização prévia e expressa da autora. Os Direitos estão assegurados nas Leis brasileiras e internacionais de proteção à propriedade intelectual e o desrespeito estará sujeito à aplicação das sanções penais cabíveis.

Mais Lidas do Mês

O amor segundo a Bíblia.

"O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não se vangloria, não se ensoberbece, não se porta inconvenientemente, não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não suspeita mal; não se regozija com a injustiça, mas se regozija com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. (I Corintios 13: 4-7). Graça e paz do Senhor aos amados irmãos em Cristo em todas as igrejas do mundo que se anunciam pelo seu nome. Amados, um assunto vem me inquietando a muito tempo. O Amor. Porque as pessoas reclamam tanto que não são amadas? Porque tantas pessoas confessam não acreditarem no amor e dizem que ele não existe? Mas afinal, existe ou não amor? Vamos por parte queridos. O amor existe sim, existe e é verdadeiro. O que muitas vezes deixa de existir é a coragem para renunciar a si e amar o outro. Ora meus queridos, a Bíblia diz que o amor não é invejoso, portanto anulamos aquele sentimento que nos leva a desejar um amor exclusivo e possessivo. Percebam …

Gospel | Pequena Reflexão | Lucas 10,23.

Precisamos deixar que Deus ilumine nosso olhar, para contemplarmos o Seu Reino presente no meio de nós .
“Felizes os olhos que veem o que vós vedes!” (Lucas 10, 23).Jesus está exultando de alegria pelo Pai, louvando e bendizendo, porque não foi aos sábios, aos grandes, poderosos e entendidos que o Pai revelou os segredos do Reino, mas aos humildes de coração, àqueles que dispõe do seu coração qualquer soberba e orgulho, e o abrem para contemplar as manifestações de Deus no meio de nós. Deixe-me dizer ao seu coração: onde está a mão de Deus, que não a vejo? Onde está a graça de Deus quando me toca? Onde estão os prodígios de Deus que as pessoas exultam e eu não consigo ver? Felizes os humildes, os bem-aventurados, aqueles que estão na humildade de coração, porque são esses que contemplam a glória, a ação, a graça de Deus agindo no meio de nós! O problema não é a mão de Deus, que não está agindo, o problema é o nosso coração que não se despiu, não se revestiu de graça e humildade. Se nã…

Literatura | Gospel | Pequena Reflexão | Lucas 11,130.| Luzia Couto.

“Ora, se vós que sois maus, sabeis dar coisas boas aos vossos filhos, quanto mais o Pai do céu dará o Espírito Santo aos que o pedirem!” (Lucas 11, 130)Jesus, hoje, continua nos ensinando elementos essenciais que não podem faltar em nossa oração. A nossa oração tem de ser a oração de confiança, para dizermos: “Eu sei o que Jesus pode fazer por mim e eu confio n’Ele!”.Quem confia, não desconfia. Quem confia, sabe esperar. Quem confia, sabe que Deus jamais nos abandonará! Mas, pode ser que no fruto da nossa oração não tenhamos conseguido de Deus aquilo que queríamos. Deus é tão bom e tão Pai, que não dá aquilo que queremos, mas o que precisamos! É preciso pedir, é preciso realmente bater à porta e não deixar nunca de fazer. Sabe meus irmãos, muitas vezes não crescemos nas virtudes, deixamos de aprender muitas coisas na vida porque não temos perseverança e insistência. Somos bons para começarmos muitas coisas, somos bons para fazermos muitos propósitos, mas à medida que aparecem dificuld…