Pular para o conteúdo principal

Literatura | Gospel | Pequena Reflexão | Samuel 12: 13, 14.

Estamos acompanhando, nestes dias, na Palavra de Deus, a bela história de Davi, que é para nós modelo de humanidade que se abre para a graça divina. Davi foi bem visto, querido por Deus desde sua mocidade pela simplicidade e humanidade, pois o Senhor não olha as aparências, mas o coração.Davi foi crescendo aos olhos de Deus e dos homens, foi ficando cada vez mais querido em Israel. Vimos como ele se tornou rei de Israel e, até hoje, para a história do povo eleito, não houve um rei mais importante e querido do que ele. Davi, no entanto, pecou, falhou, foi humano.Não vamos, hoje, apenas tratar dessa humanidade de Davi, mas a maneira como se enveredou pelo pecado. Primeiro, o pecado da cobiça, pois ele desejou a mulher do próximo. Não foi só o fato de tê-la cobiçado enquanto tomava banho, mas por deixar o sentimento crescer em seu coração. Ele a desejou, foi atrás dela e juntou-se à mulher que não era dele.Uma vez que pecou, juntou-se um pecado com mais outro, e Davi deu um jeito de eliminar o esposo daquela mulher. Ele mesmo planejou a morte, deu um jeito de colocá-lo à frente da batalha, porque logo iria morrer, e assim o fez.Davi achava que ninguém havia visto seu mau procedimento, por isso fingiu que nada havia acontecido. Quando Natã foi até sua casa e contou-lhe uma parábola, Davi agiu com veemência diante do mau procedimento, a partir da parábola contada por Natã.Natã disse: “Esse homem és tu!”. A partir disso, Davi caiu por terra e tomou consciência de que havia pecado gravemente contra o Senhor.Sabe, meus irmãos, muitas vezes cometemos erros, traquinagens e maldades; agimos mal em relação ao outro e chegamos a dizer: “Ninguém está vendo o que estou cometendo!”. Como se Deus não fosse ninguém, como se diante d’Ele pudéssemos fazer tudo e depois dizer: “Perdoe-me, Senhor!”.Deus não nos nega o perdão, mas não podemos ser sem vergonha na vida, porque o nosso mau procedimento está à nossa frente. Não precisamos acusar ninguém, mas tomar consciência do que fazemos, sobretudo, se prejudicamos o nosso próximo.O pecado de Davi foi grande, porque prejudicou gravemente alguém, e ele simplesmente fingiu que nada havia acontecido. Nós, muitas vezes, falamos mal, procedemos mal, julgamos, condenados, espalhamos coisas negativas em relação ao próximo e ferimos o direito do próximo sem tomarmos consciência da gravidade dos nossos erros.Que não diminuamos o grau da nossa consciência e retidão, e que sejamos honestos com nós mesmos, com Deus e com o próximo. O Senhor não condena ninguém. Muitas vezes, comemos os frutos amargos da vida, porque eles são consequência dos nossos erros e pecados não reparados.Davi humilhou-se profundamente na presença de Deus e arrependeu-se de seus pecados. Que a humildade de Davi caia sobre nossos corações, para que tenhamos a humildade de reconhecer os nossos próprios pecados.

Mais Lidas do Mês

O amor segundo a Bíblia.

"O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não se vangloria, não se ensoberbece, não se porta inconvenientemente, não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não suspeita mal; não se regozija com a injustiça, mas se regozija com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. (I Corintios 13: 4-7). Graça e paz do Senhor aos amados irmãos em Cristo em todas as igrejas do mundo que se anunciam pelo seu nome. Amados, um assunto vem me inquietando a muito tempo. O Amor. Porque as pessoas reclamam tanto que não são amadas? Porque tantas pessoas confessam não acreditarem no amor e dizem que ele não existe? Mas afinal, existe ou não amor? Vamos por parte queridos. O amor existe sim, existe e é verdadeiro. O que muitas vezes deixa de existir é a coragem para renunciar a si e amar o outro. Ora meus queridos, a Bíblia diz que o amor não é invejoso, portanto anulamos aquele sentimento que nos leva a desejar um amor exclusivo e possessivo. Percebam …

Gospel | Pequena Reflexão | Lucas 10,23.

Precisamos deixar que Deus ilumine nosso olhar, para contemplarmos o Seu Reino presente no meio de nós .
“Felizes os olhos que veem o que vós vedes!” (Lucas 10, 23).Jesus está exultando de alegria pelo Pai, louvando e bendizendo, porque não foi aos sábios, aos grandes, poderosos e entendidos que o Pai revelou os segredos do Reino, mas aos humildes de coração, àqueles que dispõe do seu coração qualquer soberba e orgulho, e o abrem para contemplar as manifestações de Deus no meio de nós. Deixe-me dizer ao seu coração: onde está a mão de Deus, que não a vejo? Onde está a graça de Deus quando me toca? Onde estão os prodígios de Deus que as pessoas exultam e eu não consigo ver? Felizes os humildes, os bem-aventurados, aqueles que estão na humildade de coração, porque são esses que contemplam a glória, a ação, a graça de Deus agindo no meio de nós! O problema não é a mão de Deus, que não está agindo, o problema é o nosso coração que não se despiu, não se revestiu de graça e humildade. Se nã…

Literatura | Gospel | Pequena Reflexão | Lucas 11,130.| Luzia Couto.

“Ora, se vós que sois maus, sabeis dar coisas boas aos vossos filhos, quanto mais o Pai do céu dará o Espírito Santo aos que o pedirem!” (Lucas 11, 130)Jesus, hoje, continua nos ensinando elementos essenciais que não podem faltar em nossa oração. A nossa oração tem de ser a oração de confiança, para dizermos: “Eu sei o que Jesus pode fazer por mim e eu confio n’Ele!”.Quem confia, não desconfia. Quem confia, sabe esperar. Quem confia, sabe que Deus jamais nos abandonará! Mas, pode ser que no fruto da nossa oração não tenhamos conseguido de Deus aquilo que queríamos. Deus é tão bom e tão Pai, que não dá aquilo que queremos, mas o que precisamos! É preciso pedir, é preciso realmente bater à porta e não deixar nunca de fazer. Sabe meus irmãos, muitas vezes não crescemos nas virtudes, deixamos de aprender muitas coisas na vida porque não temos perseverança e insistência. Somos bons para começarmos muitas coisas, somos bons para fazermos muitos propósitos, mas à medida que aparecem dificuld…