Literatura | Gospel | Pequena Reflexão | Mateus 05:44.

De acordo com a cultura e o pensamento religioso do povo judeu, basta que amemos o nosso próximo; ao passo que aquele a quem temos como inimigo, porque de alguma forma nos prejudicou e nos fez mal, nós podemos odiá-lo. Contudo, Jesus nos diz que não deve ser assim, nós precisamos amar até os nossos inimigos.Meu amor não pode ser um amor mínimo, mas sim, como é o amor do coração do Pai, um amor pleno, um amor sublime, um amor que não exclui ninguém. Um amor no qual sou capaz de dar a outra face a quem me feriu, a quem me machucou e a quem me fez mal.É o amor que vence os ressentimentos e as mágoas. Se eu não consigo vencer a minha mágoa e meu ressentimento pelas minhas forças humanas, eu preciso vencê-los pela força da oração. E por isso o Senhor nos diz que devemos rezar por aqueles que nos perseguem. Uma oração sincera e verdadeira: “Senhor, eu não consigo. Senhor, eu tenho raiva dessa pessoa. Senhor, eu não consigo amá-la; por favor, me ajude!”O mínimo que eu posso desejar a alguém é que Deus o abençoe, o guarde, o ilumine e conduza o seu coração. Essa é a oração que vem do fundo da minha alma, a oração que vem do meu coração, para que o Senhor realmente me ajude a amar a quem eu não consigo amar.Isso não significa que é necessário você gostar de todo o mundo ou ter todos como amigos. Não, isso se trata de outra afeição, de outra intimidade, de outra forma de relacionamento. Contudo, para termos paz em nosso coração, para o nosso coração ser pleno e vigoroso, como é o coração de Deus, não podemos negar nem sonegar amor a ninguém.Está certo que existem pessoas que são difíceis e deixam muitas marcas em nós, mas a maior força da minha vida é a força do Evangelho, é ele que me dá a graça, é ele que me ajuda a superar, é ele que me ajuda a combater o mal e dizer: “Jesus, conduza meus passos, conduza os meus sentimentos”.

Seguidores do Google