Pular para o conteúdo principal

Literatura | Gospel | Pequena Reflexão | João 16, 15.

literatura gospel catolica evangelho reflexão mesa farta luzia couto
Tudo o que o Pai possui é meu. Por isso, disse que o que ele receberá e vos anunciará, é meu (João 16, 15). Celebramos, neste domingo, a Festa da Santíssima Trindade. Se todos os dias da nossa vida celebramos Deus entre nós, hoje, de modo especial, celebramos a identidade d’Ele.Quem é Deus? Essa é uma pergunta que muitos fazem! Criança ou adulto, crente ou descrente, Deus é a realidade mais sublime que existe em todo o universo!A Palavra de Deus, as Sagradas Escrituras nos ajudam a compreender, conhecer e saber quem é o Deus a quem servimos. É Ele quem se deixa revelar, ser conhecido ao longo da história da salvação e da humanidade.Os primeiros pais que tivemos conheceram Deus como o Pai de todas as coisas, perceberam que Ele havia criado tudo. Eles perceberam, na perfeição das coisas criadas, na existência humana, que um Pai havia feito todas as coisas. E esse Pai fez questão de se manifestar e dizer: “Eu sou o princípio e o fim!”. Esse Pai foi se mostrando e conduzindo Seus filhos pela mão.Esse Pai viu Seus filhos caírem, machucarem-se, perderem-se na realidade mais negativa da vida humana, que é o pecado. Esse Pai bondoso nos revelou que não estava sozinho. Por isso, ninguém pode ser sozinho na vida, precisamos ser um com Deus e Ele quer ser um conosco!Deus, na Sua própria natureza, não estava sozinho. Quando Ele chegou à plenitude dos tempos, enviou-nos Seu Filho, que é igual a Ele, distinto quanto pessoa, porém, igual quanto natureza.Na natureza divina, esse Filho estava com o Pai desde toda a eternidade. Eterno como Ele, revelou-nos a face do Pai, mostrou-nos o quanto amoroso, bondoso e misericordioso Ele é. Esse Filho deu Sua vida por nós, morreu para nos resgatar e nos colocar mais próximos do coração do Pai.Foi este Filho quem nos revelou o segredo íntimo que os une. Esse segredo íntimo chama-se: Espírito Santo. O Espírito do Pai, do Filho, que é também uma pessoa divina, una como Eles. De modo que conhecemos a identidade de um Deus que é único. Não existem três deuses nem três realidades divinas. Há um único Deus, manifesto a nós em três pessoas distintas.Que nome podemos dar a isso? Alguns chamam de Santíssima Trindade. Um Deus que é único e trino, contudo, a melhor definição de Deus é Amor!As pessoas da Santíssima Trindade viveram a perfeição do amor, uma comunhão única, eterna, que não se rompe, e cada vez mais sólida se manifesta para a nossa realidade humana.Esse Deus trino e maravilhoso quis morar no meio de nós, e o nosso coração é o lugar da Sua morada, onde Ele quer se fazer presente. Primeiro, para romper a nossa falta de unidade interior, para nos ajudar a sermos criaturas únicas, ligadas e unidas a Deus, para romper toda divisão que há no seio da humanidade.Salve, Trindade Santa! Salve, Deus uno e trino!

Mais Lidas do Mês

O amor segundo a Bíblia.

"O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não se vangloria, não se ensoberbece, não se porta inconvenientemente, não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não suspeita mal; não se regozija com a injustiça, mas se regozija com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. (I Corintios 13: 4-7). Graça e paz do Senhor aos amados irmãos em Cristo em todas as igrejas do mundo que se anunciam pelo seu nome. Amados, um assunto vem me inquietando a muito tempo. O Amor. Porque as pessoas reclamam tanto que não são amadas? Porque tantas pessoas confessam não acreditarem no amor e dizem que ele não existe? Mas afinal, existe ou não amor? Vamos por parte queridos. O amor existe sim, existe e é verdadeiro. O que muitas vezes deixa de existir é a coragem para renunciar a si e amar o outro. Ora meus queridos, a Bíblia diz que o amor não é invejoso, portanto anulamos aquele sentimento que nos leva a desejar um amor exclusivo e possessivo. Percebam …

Gospel | Pequena Reflexão | Lucas 10,23.

Precisamos deixar que Deus ilumine nosso olhar, para contemplarmos o Seu Reino presente no meio de nós .
“Felizes os olhos que veem o que vós vedes!” (Lucas 10, 23).Jesus está exultando de alegria pelo Pai, louvando e bendizendo, porque não foi aos sábios, aos grandes, poderosos e entendidos que o Pai revelou os segredos do Reino, mas aos humildes de coração, àqueles que dispõe do seu coração qualquer soberba e orgulho, e o abrem para contemplar as manifestações de Deus no meio de nós. Deixe-me dizer ao seu coração: onde está a mão de Deus, que não a vejo? Onde está a graça de Deus quando me toca? Onde estão os prodígios de Deus que as pessoas exultam e eu não consigo ver? Felizes os humildes, os bem-aventurados, aqueles que estão na humildade de coração, porque são esses que contemplam a glória, a ação, a graça de Deus agindo no meio de nós! O problema não é a mão de Deus, que não está agindo, o problema é o nosso coração que não se despiu, não se revestiu de graça e humildade. Se nã…

Literatura | Gospel | Pequena Reflexão | Lucas 11,130.| Luzia Couto.

“Ora, se vós que sois maus, sabeis dar coisas boas aos vossos filhos, quanto mais o Pai do céu dará o Espírito Santo aos que o pedirem!” (Lucas 11, 130)Jesus, hoje, continua nos ensinando elementos essenciais que não podem faltar em nossa oração. A nossa oração tem de ser a oração de confiança, para dizermos: “Eu sei o que Jesus pode fazer por mim e eu confio n’Ele!”.Quem confia, não desconfia. Quem confia, sabe esperar. Quem confia, sabe que Deus jamais nos abandonará! Mas, pode ser que no fruto da nossa oração não tenhamos conseguido de Deus aquilo que queríamos. Deus é tão bom e tão Pai, que não dá aquilo que queremos, mas o que precisamos! É preciso pedir, é preciso realmente bater à porta e não deixar nunca de fazer. Sabe meus irmãos, muitas vezes não crescemos nas virtudes, deixamos de aprender muitas coisas na vida porque não temos perseverança e insistência. Somos bons para começarmos muitas coisas, somos bons para fazermos muitos propósitos, mas à medida que aparecem dificuld…