Pular para o conteúdo principal

Gospel | Pequena Reflexão | Lucas 21,14,15.| Escritora Luzia Couto

 Desarme o seu coração, sua mente e seu interior, não fique carregando coisas pesadas nem preocupado em dizer isso e aquilo “Fazei o firme propósito de não planejar com antecedência a própria defesa, porque eu vos darei palavras tão acertadas, que nenhum dos inimigos vos poderá resistir” (Lucas 21,14-15).O contexto que Jesus está nos dando, as palavras do Evangelho de hoje são de perseguição, de tempos muito difíceis, sobretudo, tempo das grandes perseguições que os apóstolos de Cristo viveram naquela época. Muitos ainda vivem, no dia de hoje, perseguições que os levam ao martírio, a doar o próprio sangue e a morrer por causa da fé. A palavra deve ser aplicada em todas as épocas e situações de nossa vida, porque, em grau maior ou menor, as perseguições, ou seja, a oposição àquilo que vivemos, passamos em todas as épocas de nossa vida.
Qualquer pessoa coerente vai ser confrontada pela sua coerência. O mundo não suporta a coerência, a verdade, a diversidade; muitas vezes, não suportamos viver com quem pensa, com quem fala, com quem tem uma visão diferente da nossa. Não podemos fazer aquilo que o mundo faz conosco. Passamos, muitas vezes, por situações constrangedoras nos ambientes familiares, de trabalho, nas convivências sociais, pelas escolhas que fazemos.
Sermos confrontados, questionados por aquilo que seguimos e acreditamos não deve ser para nós uma afronta, mas ocasião para duas coisas importantes na vida: primeiro, para refletirmos, pois toda escolha é fruto de reflexões que, cada vez mais, vão se aprofundando. Quando alguém confronta aquilo que cremos, paramos para meditar, para nos rever, para ver se essa é a opção que temos na vida. O segundo elemento é para que realmente fiquemos convictos daquilo que estamos seguindo, daquilo que é importante para nossa vida. O que não pode acontecer é aquilo que o Evangelho está dizendo a nós: ficarmos preocupados em nos defendermos, darmos respostas às pessoas. Veja só: quando alguém nos ofende, queremos dar respostas àquela pessoa. Às vezes, ficamos com aquilo na cabeça, pensando o tempo inteiro: “O que eu vou dizer a ela? Qual é a resposta que vou dar?”. Desculpe-me, mas essa preocupação é mundana, é daqueles que vivem os confrontos do mundo. Aqueles que vivem à luz da fé, iluminados e guiados por Deus, não devem fazer propósitos daquilo que irão dizer e jogar na cara do outro. Não se preocupe! Quando for necessário você falar, pode ter confiança e certeza que a palavra inspiradora virá do coração de Deus para o seu coração. Desarme o seu coração, sua mente e seu interior, não fique carregando coisas pesadas nem preocupado em dizer isso e aquilo; não fique fantasiando e perdendo noites de sono, preocupado com confrontos, respostas a serem dadas. A melhor resposta que podemos dar, em qualquer situação, é a coerência de vida, é o amor por aquilo que temos, sem fanatismos, sem vivermos isso de forma ilusória, mas seguirmos com convicção naquilo que é meta da nossa vida.

Mais Lidas do Mês

O amor segundo a Bíblia.

"O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não se vangloria, não se ensoberbece, não se porta inconvenientemente, não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não suspeita mal; não se regozija com a injustiça, mas se regozija com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. (I Corintios 13: 4-7). Graça e paz do Senhor aos amados irmãos em Cristo em todas as igrejas do mundo que se anunciam pelo seu nome. Amados, um assunto vem me inquietando a muito tempo. O Amor. Porque as pessoas reclamam tanto que não são amadas? Porque tantas pessoas confessam não acreditarem no amor e dizem que ele não existe? Mas afinal, existe ou não amor? Vamos por parte queridos. O amor existe sim, existe e é verdadeiro. O que muitas vezes deixa de existir é a coragem para renunciar a si e amar o outro. Ora meus queridos, a Bíblia diz que o amor não é invejoso, portanto anulamos aquele sentimento que nos leva a desejar um amor exclusivo e possessivo. Percebam …

Gospel | Pequena Reflexão | Lucas 10,23.

Precisamos deixar que Deus ilumine nosso olhar, para contemplarmos o Seu Reino presente no meio de nós .
“Felizes os olhos que veem o que vós vedes!” (Lucas 10, 23).Jesus está exultando de alegria pelo Pai, louvando e bendizendo, porque não foi aos sábios, aos grandes, poderosos e entendidos que o Pai revelou os segredos do Reino, mas aos humildes de coração, àqueles que dispõe do seu coração qualquer soberba e orgulho, e o abrem para contemplar as manifestações de Deus no meio de nós. Deixe-me dizer ao seu coração: onde está a mão de Deus, que não a vejo? Onde está a graça de Deus quando me toca? Onde estão os prodígios de Deus que as pessoas exultam e eu não consigo ver? Felizes os humildes, os bem-aventurados, aqueles que estão na humildade de coração, porque são esses que contemplam a glória, a ação, a graça de Deus agindo no meio de nós! O problema não é a mão de Deus, que não está agindo, o problema é o nosso coração que não se despiu, não se revestiu de graça e humildade. Se nã…

Literatura | Gospel | Pequena Reflexão | Lucas 11,130.| Luzia Couto.

“Ora, se vós que sois maus, sabeis dar coisas boas aos vossos filhos, quanto mais o Pai do céu dará o Espírito Santo aos que o pedirem!” (Lucas 11, 130)Jesus, hoje, continua nos ensinando elementos essenciais que não podem faltar em nossa oração. A nossa oração tem de ser a oração de confiança, para dizermos: “Eu sei o que Jesus pode fazer por mim e eu confio n’Ele!”.Quem confia, não desconfia. Quem confia, sabe esperar. Quem confia, sabe que Deus jamais nos abandonará! Mas, pode ser que no fruto da nossa oração não tenhamos conseguido de Deus aquilo que queríamos. Deus é tão bom e tão Pai, que não dá aquilo que queremos, mas o que precisamos! É preciso pedir, é preciso realmente bater à porta e não deixar nunca de fazer. Sabe meus irmãos, muitas vezes não crescemos nas virtudes, deixamos de aprender muitas coisas na vida porque não temos perseverança e insistência. Somos bons para começarmos muitas coisas, somos bons para fazermos muitos propósitos, mas à medida que aparecem dificuld…